Fusões e Aquisições tornam-se cada vez mais comum no Brasil

3 de maio de 2019

O mercado de compra e venda de empresas brasileiro é um setor em constante desenvolvimento. As operações de compra e venda de empresas ocorrem com bastante frequência entre as grandes corporações, mas ainda estão ganhando espaço entre as micro e pequenas empresas. Para Márcio Miranda CEO da United HR, em países desenvolvidos, como os Estados Unidos, a prestação de serviços de fusões e aquisições se assemelha ao mercado de imóveis, com milhares de transações realizadas todo ano. Ou seja, a compra e venda de empresas já é incorporada às transações comerciais do dia a dia.

O grupo Vetoquinol, sediado em Lure, na França, anunciou a compra da empresa goiana Clarion Saúde Animal, especializada em produtos veterinários para bovinos.

A rede de medicina diagnóstica Cura está próxima de anunciar a sua fusão com a concorrente Mérya. Randon anuncia joint-venture com empresa de Erechim, Grupo Triel-HT.

A Ser Educacional anunciou a compra do Centro Universitário do Norte (Uninorte) por preço base de 194,8 milhões de reais, que será subtraído de dívida da companhia.

A fintech de crédito Zen recebeu aporte de R$ 5,7 milhões de um grupo de investidores que inclui a Global Founders Capital, da Alemanha, e investidores-anjo do mercado brasileiro. (Fonte: Lafis)

A Ativy, empresa brasileira de soluções de Cloud Híbrida, Segurança e Serviços Gerenciados de TI, acaba de anunciar a aquisição da Imunisy – especialista em segurança da informação. EB Capital busca ?lucro e propósito? no middle market, investindo na empresa Sumicity. (Fonte: CEIC)

Lundin Mining comprou toda a participação da Yamana Gold na Mineração Maracá, por US$ 800 milhões. A Seidor, multinacional espanhola especializada em serviços e soluções SAP, fechou a aquisição da B-Improve, uma fábrica de software instalada no parque tecnológico da Universidade do Vale do Paraíba, no interior de São Paulo.

A Kinea Investimentos, pertencente ao Itaú, anunciou nesta segunda-feira (15) a compra de uma fatia minoritária da holding Wiser Educação, dona da WiseUp, por R$ 200 milhões. O tamanho da fatia não foi anunciado, mas uma parte foi comprada dos acionistas atuais. (Fonte: EMIS)

Diferentemente contrário da aquisição, a fusão é uma técnica de reorganização empresarial, caracterizada pela união de duas ou mais empresas em uma nova. Como o próprio nome já diz, as fusões têm o objetivo de fundir ou combinar as empresas.

Com a ocorrência de uma fusão ocorre o desaparecimento das empresas que se fundiram, dando lugar a uma só e fazendo surgir uma outra sociedade, que assume as obrigações das anteriores.

Ao contrário da fusão, na aquisição ocorre a compra de uma empresa por outra. Nesse caso, isso significa necessariamente que uma das empresas permanece, mas não significa que a outra acabará. Ela pode ou não permanecer, mas sob nova direção.

No contexto de fusões e aquisições, a aquisição normalmente visa o controle da empresa comprada e pode ocorrer de maneira total, com toda a empresa sendo vendida, ou parcial, sendo vendida somente parte da empresa, afirma Marcio Miranda.

. . .

Compartilhe:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Compartilhar

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no email
Email